Skip to content

Em apenas um ano, Angola melhorou da 167a para 146a posição no Índice de Percepção da Corrupção (CPI) da Transparency International (2020), em grande parte devido à força das reformas anticorrupção introduzidas após a posse do Presidente João Lourenço em Setembro de 2017 (Jornal de Angola, 2020; O Observador, 2020a).

Embora a pontuação do CPI do país ainda seja inferior à da África Subsaariana e das médias globais, as investigações aos casos de alegada corrupção continuam a ser feitas, tendo um tribunal de Luanda ordenado o congelamento dos bens de Isabel dos Santos e de Irene Neto (filhas dos ex-presidentes José Eduardo dos Santos e Agostinho Neto). Ainda assim, João Lourenço e o Procurador Geral da República, que têm apelado a sociedade para se juntar à cruzada nacional de luta contra a corrupção, denunciando os casos, têm- se mantido em silêncio diante da recente reportagem de uma televisão portuguesa, que acuso o director de gabinete do presidente de envolvimento em esquemas de corrupção e de obtenção de vantagens que violam a lei da probidade pública (Voz da América, 2019; Público, 2020; O Observador, 2020b; TVI24, 2020).

Como os cidadãos percebem os esforços da luta contra a corrupção?

Os resultados do primeiro inquérito do Afrobarometer em Angola mostram que uma proporção considerável vê a corrupção diminuir, mas uma maioria relativa classifica o desempenho do governo na luta contra a corrupção como fraco. Em parte, isso pode estar relacionado com a percepção daqueles que dizem que o presidente está a usar a luta contra a corrupção como arma política. Além disso, a maioria teme retaliação ou outras consequências negativas se denunciar casos de corrupção às autoridades.

Apesar destas reservas, a maioria dos angolanos opõe-se a um perdão geral para os casos de corrupção anteriores a Setembro de 2017 e deseja que o governo recupere todos os bens financeiros e patrimoniais adquiridos indevidamente.

English version

Carlos Pacatolo

Carlos is the national investigator for Angola

David Boio

David is the co-national investigator in Angola