AD319: Apesar das liberdades, os Cabo-Verdianos estão insatisfeitos com a democracia na pioria do desempenho econômico

Welcome to the Afrobarometer publications section. For short, topical analyses, try our briefing papers (for survey rounds 1-5) and dispatches (starting with Round 6). For longer, more technical analyses of policy issues, check our policy papers. Our working papers are full-length analytical pieces developed for publication in academic journals or books. You can also search the entire publications database by keyword(s), language, country, and/or author.

Filter content by:

Dispatches
2019
319
Thomas Isbell e Sadhiska Bhoojedhur

O Cabo Verde destaca-se no continente Africano como um paradigma de tolerância e respeito pelos direitos humanos e liberdades fundamentais. O país ratificou todas as principais convenções internacionais de direitos humanos; suas leis garantem liberdades democráticas; e seu governo é geralmente considerado eficaz no respeito e proteção desses direitos (Comissão Europeia, 2018; Departamento de Estados dos EUA, 2016).

No entanto, quando a Afrobarometer perguntou aos Cabo-Verdianos como eles veem sua democracia, as respostas sugeriram uma mistura curiosa de apreciação e insatisfação. A maioria dos cidadãos disseram que se sentem livres expressar suas opiniões e que as liberdades políticas vêm melhorando nos últimos anos. No entanto, um número crescente de Cabo-Verdianos expressaram uma insatisfação com sua democracia - uma visão que pode ter mais a ver com a gestão econômica do governo do que com seu histórico de direitos políticos.

Related content