Skip to content
Key findings
  • Em meados de 2018, mais de seis em cada 10 Moçambicanos (63%) afirmaram ter ficado sem os serviços de saúde necessários no ano anterior, incluindo 41% que disseram que isto aconteceu “várias vezes,” “muitas vezes,” ou “sempre.” Entre os entrevistados mais pobres, quase todos (98%) disseram que ficaram sem tratamento médico pelo menos uma vez.
  • Cerca de quatro em cada 10 Moçambicanos (37%) disseram que a sua capacidade de receber assistência médica melhorou nos últimos anos, enquanto cerca de metade (21%) disseram que piorou.
  • Dois terços dos Moçambicanos que procuraram cuidados médicos disseram que receberam serviços “imediatamente” (20%) ou “após um curto período de tempo” (46%). Mas quase um em cada cinco (17%) disseram que eles tiveram que pagar um suborno para obter cuidados.
  • A saúde ocupa o sexto lugar entre os problemas mais importantes que os Moçambicanos querem que o governo enfrente, abaixo do primeiro lugar em 2015.
  • A maioria (56%) dos Moçambicanos disseram que o governo estava a desempenhar "razoavelmente bem" ou "muito bem" na melhoria dos serviços básicos de saúde, mas isto reflete um declínio de 20 pontos percentuais desde 2008. Apenas 44% disseram que o governo estava fazendo um bom trabalho de fornecer serviços de água e saneamento.

Depois de dois ciclones deixando morte e devastação em seu rastro (eNCA, 2019a; 2019b), Moçambique enfrenta um perigo pós-desastre – a cólera. Embora endêmicas em Moçambique, as infeções por cólera dispararam após as recentes tempestades, levando o Ministério da Saúde e parceiros internacionais a lançar campanhas maciças de vacinação (Organização Mundial da Saúde, 2019a; Mbah, 2019).

O surto destaca os sectores de cuidados de saúde e infraestruturas de Moçambique, uma vez que o tratamento rápido e o acesso a água potável e saneamento são vitais para impedir a propagação da cólera – mas difíceis de fornecer a centenas de milhares de cidadãos em áreas afetadas.

Mesmo antes dos ciclones, Moçambique lutou para garantir adequados cuidados de saúde e infraestruturas em meio a desafios como altos níveis de pobreza e insegurança alimentar (Allianz Care, 2019; Ministério da Saúde, 2014). Enquanto o acesso aos cuidados de saúde, o financiamento, a infraestrutura e o pessoal melhoraram desde o final da guerra civil em 1992 (Allianz Care, 2019; Organização Mundial da Saúde, 2019b; Pose, Engel, Poncin & Manuel, 2014), o sector da saúde do país continua a depender de apoio financeiro externo – e provavelmente precisará de mais na esteira de Idai e Kenneth.

Numa pesquiza nacional do Afrobarómetro em meados de 2018, a maioria dos Moçambicanos expressaram satisfação com o progresso do governo na melhoria dos serviços básicos de saúde, bem como com as suas próprias experiências nas instalações de saúde pública. Mas quase dois terços dos cidadãos – e quase todos os cidadãos mais pobres – relataram indo sem os cuidados necessários durante o ano anterior.

Thomas Isbell

Post-doctoral research fellow and research assistant at Afrobarometer

Sadhiska Bhoojedhur

Sadhiska Bhoojedhur is a senior data analyst for Island Living, Mauritius.