AD319: Apesar das liberdades, os Cabo-Verdianos estão insatisfeitos com a democracia na pioria do desempenho econômico

Bienvenue à la section des publications d’Afrobaromètre. Pour des brèves analyses d’actualité, veuillez voir nos notes informatives (pour les séries d’enquêtes 1-5) et dépêches (à partir de la Série 6). Pour des analyses plus longues et techniques, se focalisant sur des questions de politique, regardez nos documents de politique. Nos documents de travail sont des analyses approfondies destinées à la publication dans des revues académiques ou des livres. Vous pouvez aussi rechercher dans toute la base des publications à partir des mots-clés, la langue, le pays, et/ou l’auteur.

Filter content by:

Dépêches
2019
319
Thomas Isbell e Sadhiska Bhoojedhur

O Cabo Verde destaca-se no continente Africano como um paradigma de tolerância e respeito pelos direitos humanos e liberdades fundamentais. O país ratificou todas as principais convenções internacionais de direitos humanos; suas leis garantem liberdades democráticas; e seu governo é geralmente considerado eficaz no respeito e proteção desses direitos (Comissão Europeia, 2018; Departamento de Estados dos EUA, 2016).

No entanto, quando a Afrobarometer perguntou aos Cabo-Verdianos como eles veem sua democracia, as respostas sugeriram uma mistura curiosa de apreciação e insatisfação. A maioria dos cidadãos disseram que se sentem livres expressar suas opiniões e que as liberdades políticas vêm melhorando nos últimos anos. No entanto, um número crescente de Cabo-Verdianos expressaram uma insatisfação com sua democracia - uma visão que pode ter mais a ver com a gestão econômica do governo do que com seu histórico de direitos políticos.

Contenu connexe