AD297: Ciclones aumentam os desafios de saúde pública em Moçambique

Bienvenue à la section des publications d’Afrobaromètre. Pour des brèves analyses d’actualité, veuillez voir nos notes informatives (pour les séries d’enquêtes 1-5) et dépêches (à partir de la Série 6). Pour des analyses plus longues et techniques, se focalisant sur des questions de politique, regardez nos documents de politique. Nos documents de travail sont des analyses approfondies destinées à la publication dans des revues académiques ou des livres. Vous pouvez aussi rechercher dans toute la base des publications à partir des mots-clés, la langue, le pays, et/ou l’auteur.

Filter content by:

Dépêches
2019
297
Thomas Isbell e Sadhiska Bhoojedhur

Depois de dois ciclones deixando morte e devastação em seu rastro (eNCA, 2019a; 2019b), Moçambique enfrenta um perigo pós-desastre – a cólera. Embora endêmicas em Moçambique, as infeções por cólera dispararam após as recentes tempestades, levando o Ministério da Saúde e parceiros internacionais a lançar campanhas maciças de vacinação (Organização Mundial da Saúde, 2019a; Mbah, 2019).

O surto destaca os sectores de cuidados de saúde e infraestruturas de Moçambique, uma vez que o tratamento rápido e o acesso a água potável e saneamento são vitais para impedir a propagação da cólera – mas difíceis de fornecer a centenas de milhares de cidadãos em áreas afetadas.

Mesmo antes dos ciclones, Moçambique lutou para garantir adequados cuidados de saúde e infraestruturas em meio a desafios como altos níveis de pobreza e insegurança alimentar (Allianz Care, 2019; Ministério da Saúde, 2014). Enquanto o acesso aos cuidados de saúde, o financiamento, a infraestrutura e o pessoal melhoraram desde o final da guerra civil em 1992 (Allianz Care, 2019; Organização Mundial da Saúde, 2019b; Pose, Engel, Poncin & Manuel, 2014), o sector da saúde do país continua a depender de apoio financeiro externo – e provavelmente precisará de mais na esteira de Idai e Kenneth.

Numa pesquiza nacional do Afrobarómetro em meados de 2018, a maioria dos Moçambicanos expressaram satisfação com o progresso do governo na melhoria dos serviços básicos de saúde, bem como com as suas próprias experiências nas instalações de saúde pública. Mas quase dois terços dos cidadãos – e quase todos os cidadãos mais pobres – relataram indo sem os cuidados necessários durante o ano anterior.

Contenu connexe